Início » “Suplemento alimentar” vendido nos EUA melhora a fertilidade da mulher após os 40 anos

“Suplemento alimentar” vendido nos EUA melhora a fertilidade da mulher após os 40 anos

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O DHEA (Dihidroepiandrosterona) – um hormônio produzido pelas glândulas supra-renais que diminui progressivamente com a idade – é vendido como suplemento alimentar com o objetivo de combater o envelhecimento e melhorar a sensação de bem-estar. A falta deste hormônio reduz o desejo sexual, a massa muscular e as ações do sistema imunológico.

Durante o 21º Congresso Anual da Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE) que aconteceu na Dinamarca na última quinzena de junho, o professor N. Gleider, de Chicago, EUA, apresentou um estudo com mulheres acima de 40 anos em tratamento de infertilidade que tomaram DHEA. Estas pacientes tinham exames normais e após tomarem este suplemento por 17 semanas dobraram o número de óvulos e embriões produzidos quando comparados à época que não tomavam esta substância. O número de gestações nestas mulheres surpreendeu e foi maior do que o esperado.

O DHEA foi amplamente vendido em todo o mundo durante a década de 90, como uma medicação milagrosa no combate ao envelhecimento, prevenção de doenças cardíacas, obesidade e até na prevenção a doença de Alzheimer. Entretanto, os seus efeitos benéficos não foram comprovados e por isso, em alguns países, como o Brasil, a venda foi proibida, embora a sua aquisição possa ser feita sem dificuldades pela Internet. Devido a resolução – RDC número 47, de 2 de junho de 2000, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu a comercialização desta substância no país por não ter sua eficácia comprovada para o que se propunha na época. Nos EUA, porém, foi aprovada como suplemento alimentar e até hoje é comercializado sem restrição.

Segundo o dr. Arnaldo Cambiaghi, especialista em infertilidade do Centro de Reprodução Humana do IPGO – Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia, presente nesta conferência, o estudo apresentado pelo Dr. Gleider é bastante interessante e merece crédito. “As mulheres acima de 40 anos apresentam um grande desafio para os tratamentos de infertilidade. Após esta idade os ovários envelhecem, os resultados tendem a ser piores e a quantidade de medicação utilizada é maior, implicando num maior custo financeiro. A utilização desta substancia pode oferecer melhores resultados e uma economia substancial para o bolso dos que pagam pelo tratamento. Principalmente se ela puder ser utilizada em hospitais públicos”, finaliza Cambiaghi.

Informações à imprensa: LaVida Press

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende
Ligue
Mensagem
WhatsAPP
Valores e Dúvidas sobre os Tratamentos no IPGO?
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos
Exame aumenta as chances de sucesso nos tratamentos de FIV
Exame oferece novas perspectivas para mulheres que tiveram falhas repetidas nos tratamentos de fertilização in vitro
11 motivos para a paciente procurar o IPGO

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Conheça os livros digitais do IPGO

Leve para sua casa a maior coleção de E-books sobre fertilização

Adquira já os Livros Publicados do IPGO

Tenha em mãos a sua coleção

Podcast Da Fertilidade

Nossos conteúdos disponíveis a qualquer hora do dia

spotify-lateral
Valores e Dúvidas sobre os
Tratamentos
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos