Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO

Use o sistema de busca.

INFLAMAÇÕES CRÔNICAS “SILENCIOSAS” e a INFERTILIDADE

Home » Atualidades » INFLAMAÇÕES CRÔNICAS “SILENCIOSAS” e a INFERTILIDADE
Agende sua Consulta

Detalhes que fazem a diferença nos tratamentos de fertilização

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

 

A Medicina Reprodutiva caminha a passos largos, e é sempre acompanhada de novos exames que fazem diagnósticos incríveis buscando aumentar as chances de sucesso dos tratamentos de fertilização. São exames como pesquisa genética, biópsia do embrião (PGT-A e PGT-M), Trombofilias, ERA e HLA-C /KIR, além de novos medicamentos, tratamentos individualizados e esquemas de estimulação ovariana. A pesquisa leva a constantes novidades, entretanto, muitas vezes, diagnósticos mais simples e muito importantes são esquecidos e passam despercebidos.

É o caso das INFLAMAÇÕES CRÔNICAS SUBCLÍNICAS, que aqui chamamos de “inflamações silenciosas” por serem imperceptíveis e não causarem sintomas, mas que podem interferir na fertilidade e dificultar o sucesso da gravidez espontânea e também nos tratamentos de fertilização. ( falhas de implantação )

Essas inflamações são causadas por razões variadas. Pode ser pelo estresse físico, emocional e mental, dieta inadequada, toxinas ambientais ou problemas simples de saúde, como alergias e obesidade, além de problemas ginecológicos como ovários policísticos, endometriose, falência ovariana ou simples processos naturais como a própria ovulação ou mudança cíclica do ovário.

 

O QUE É INFLAMAÇÃO?

 

Inflamação é o mecanismo de defesa natural do corpo. Faz parte do sistema imunológico e pode ser desencadeado por muitas coisas. É um processo complexo pelo qual os glóbulos brancos do corpo são liberados no sangue ou tecidos afetados para combater a infecção. A inflamação é a maneira de o corpo marcar uma região para receber atenção do sistema imunológico.

Existem dois tipos de inflamação, aguda e crônica. A inflamação aguda começa rapidamente e geralmente desaparece dentro de alguns dias. A inflamação aguda nos protege contra células, vírus e bactérias danificados. Dessa forma, a inflamação é benéfica.

A inflamação crônica é sistêmica e pode durar meses ou anos. Muitas coisas podem contribuir para a inflamação crônica, incluindo alimentos inflamatórios, toxinas ambientais, excesso de peso, estresse, problemas digestivos, alergias, hipertensão, depressão, Síndrome do Intestino Irritável, fadiga crônica etc. No caso de inflamação crônica, as células imunes pró-inflamatórias continuam circulando pelo corpo e danificam tecidos saudáveis, ​​incluindo sangue, revestimentos de vasos (aterosclerose), tecido articular (artrite) e mucosa intestinal (intolerância alimentar), podendo, por fim, causar a queda da qualidade dos espermatozoides e óvulos, além de causar um ambiente hostil para uma gravidez. Existem várias razões pelas quais homens e mulheres têm inflamação crônica.

Endometriose, Síndrome do Ovário Policístico (SOP), doença inflamatória pélvica (DIP) e falência ovariana prematura têm sido associadas à inflamação crônica e aos resultados adversos da gravidez. Os pesquisadores levantam a hipótese de que a inflamação crônica pode prejudicar o ambiente uterino e/ou interromper a cadeia específica de eventos do sistema imunológico que permitem o implante de um embrião (Levin et al. 2007).

Os principais mediadores químicos da inflamação são prostaglandinas, mensageiras químicas que ligam e desligam o componente imune da inflamação aguda. Existem dois grupos principais de prostaglandinas:

prostaglandinas pró-inflamatórias (chamadas de prostaglandinas de fase 2) que estimulam a inflamação aguda no local da lesão e as prostaglandinas anti-inflamatórias (chamadas de prostaglandinas de Fase 1 e Fase 3) que a desligam. O ácido araquidônico é a principal prostaglandina pró-inflamatória da Série 2 ativa no organismo, está presente em nossa dieta nos produtos de origem animal (carne e laticínios) e também pode ser fabricado a partir do ácido linolênico (também conhecido como ácido graxo ômega-6 encontrado no óleo de milho, óleo de soja e na carne de animais que são alimentados com milho). Do lado dos “mocinhos” está o ácido eicosapentaenóico (EPA), que é encontrado principalmente em plantas e animais marinhos. EPA é parte de uma família de compostos chamados ácidos graxos essenciais ômega-3, que também inclui o ácido alfa-linoléico (ALA), ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosahexaenoico (DHA). EPA é a estrutura lipídica que nosso corpo usa para produzir prostaglandinas benéficas que reduzem a inflamação.A dieta humana “primitiva” (Dieta do Mediterrâneo) continha uma proporção estimada de 1: 1 de gorduras ômega-6 a ômega-3. Hoje, nossa dieta é muito mais inclinada em relação aos ácidos graxos ômega-6 pró-inflamatórios, cerca de 10: 1. Infelizmente, uma vez que os ácidos graxos que comemos são finalmente incorporados em nossos tecidos, essa mudança na dieta distorce nossa fisiologia em direção à inflamação.Mesmo quando não é acompanhada por um distúrbio reprodutivo, a inflamação crônica pode atrapalhar a ovulação, o equilíbrio adequado dos hormônios em seu corpo e a receptividade endometrial.

Óvulos e espermatozoides saudáveis e hormônios equilibrados são necessários para uma gravidez bem-sucedida, mas igualmente importante é a condição e a receptividade do útero. Um óvulo fertilizado deve se inserir na parede do útero para implantação, mas a inflamação uterina crônica é uma causa conhecida de falha na implantação e perda precoce.

 

Condições reprodutivas associadas à inflamação crônica incluem: ·         Endometriose·         Síndrome do ovário policístico (SOP)·         Doença inflamatória pélvica·         Miomas uterinos e cistos ovarianos·         Adenomiose e síndrome de Asherman·         Menopausa precoce (insuficiência ovariana prematura)·         Má qualidade de espermatozoides·         Má qualidade dos óvulos

INFLAMAÇÃO E MITOCÔNDRIA

As mitocôndrias são estruturas minúsculas dentro de quase todas as células do corpo e responsáveis ​​por produzir a energia para as células realizarem suas funções. Essas estruturas minúsculas também são muito vulneráveis ​​à inflamação crônica. Isso significa é que a inflamação crônica danifica as mitocôndrias, diminuindo a capacidade geral do corpo de funcionar na sua plenitude.

 

INFLAMOGRAMAS  (Exames para identificação precoce da Inflamação Crônica Subclínica)

Os principais mediadores dessas alterações são as citocinas, produzidas em grande parte pelo fígado, entre as quais se destacam a IL-1b, o fator de necrose tumoral-alfa (TNFa), o interferon-g, e principalmente a IL-6.

Citocinas avaliadas

·         Interleucina 10 (IL-10)

·         Interleucina 6 (IL-6)

·         Lipoproteína A

·         Óxido nítrico

·         Fator de Necrose Tumoral (TNF alfa)

·         Fosfolipase A2 (PLAC2)

Outras formas de se avaliar a inflamação crônica é pelos seguintes exames:

·         Insulina em jejum

·         Hemoglobina glicada (HgA1C)

·         Proteína C reativa

·         Ferritina sérica

·         Vitamina B12 ( metilcobalamina)

·         Gama GT ( síntese da glutationa)

·         Diâmetro dos Glóbulos Vermelhos (visto hemograma completo)

·         Volume plaquetário médio (visto hemograma completo)

 

RECOMENDAÇÕES: Reduza o estresse : uma resposta inflamatória pode ser desencadeada por estresse físico, mental e emocional. O hormônio do estresse, cortisol, desempenha um papel na regulação da resposta inflamatória.

Exercícios regulares: manter o exercício regular promove relaxamento. No entanto, evite estilos de exercícios que causem ansiedade ou provoquem  esgotamento físico.

Suplementos vitamínicos: manipulados de forma individualizada, tem efeitos benéficos e minimizam o processo inflamatório.

 

Evite alguns alimentos: ingredientes e produtos químicos que aumentam a inflamação e o estresse oxidativo:

 

  • Gliadina (proteína contida no glúten) à trigo à arroz, biscoitos, bolachas, pães, bolos, cerveja, massas e sorvetes;
  • Caseína (presente no leite, queijos e iogurtes): laticínios pasteurizados promovem as prostaglandinas que desencadeiam a inflamação;
  • Processados e embutidos pela grande quantidade de sódio;
  • Açúcares simples (presente nos doces, sucos de frutas, enlatados, alimentos em conserva. ketchup, geleias) São rapidamente digeridos e absorvidos pelo organismo;
  • Óleos vegetais (óleo de soja, canola, castanhas, nozes, girassol, linhaça e ricos em ômega 6);
  • Óleos hidrogenados ou parcialmente hidrogenados, margarina, gordura e manteiga vegana são feitos com óleos ômega-6;
  • Alimentos processados ​​e fast foods, incluindo a maioria dos restaurantes de fast food.

 

Prefira

  • Legumes e vegetais orgânicos: sem agrotóxicos
  • Fibras: feijão, lentilha, aveia, linhaça, grão de bico, cereais integrais.
  • Óleo de coco: absorvido rapidamente e não usado para síntese de colesterol e não armazenado, não se acumula na forma de gordura e na versão extravirgem contribui para controle do colesterol e é antioxidante.
  • Hidratação
  • Carboidrato complexo: integrais, batata doce, feijão preto, maçã, banana, morango, cenoura, brócolis, berinjela, aspargo, grão de bico, amendoim. Baixo índice glicêmico e metabolização mais lenta.

Consumir alimentos anti-inflamatórios:

  1. Ervas aromáticas, como alho macerado, açafrão, curry e cebola;
  2. Peixes ricos em ômega-3, como atum, sardinha e salmão;
  3. Sementes com ômega-3, como linhaça, chia e gergelim;
  4. Frutas cítricas, como laranja, acerola, goiaba, tangerina e abacaxi;
  5. Frutas vermelhas, como romã, melancia, cereja, morango e uva;
  6. Oleaginosas, como castanhas e nozes;
  7. Vegetais,como brócolis, couve-flor, repolho e gengibre;
  8. Óleo de coco
  9. Outros: gengibre, abacate, espinafre, açafrão (curcumina), berinjela e romã.

 

 REFERÊNCIAS:

1. Philip Hunter, A Teoria da Inflamação da Doença. 2012 nov; 13 (11): 968-970. PMID: 3492709 .
2. Zeyda, Maximilian, Stulnig, Thomas M., Inflamação da Obesidade e Resistência à Insulina – Uma Mini Revisão. Gerontologia 2009; 55: 379-386 DOI: 10.1159 / 000212758. Link aqui
3. Basta, G, Schmidt, AM, De Caterina, R, Produtos Finais de Glicação Avançada e Inflamação Vascular: Implicações para a aterosclerose acelerada no diabetes. Cardiovasc Res.2004 Sep 1; 63 (4): 582-92. PMID: 15306213
4. Marie Kim Wium-Andersen, Dra. David Dynnes Orsted, MD; Sune Fallgaard Nielsen, MScEE, PhD; et al., Níveis Elevados de Proteína C-Reativa, Aflição Psicológica e Depressão no Indivíduo. JAMA Psiquiatria . 2013; 70 (2): 176-184. doi: 10.1001
5. Heidi S. Bazick, MD, Domingo Change, MD, et al., Largura de Distribuição de Células Vermelhas e Todas as causas de Mortalidade em Pacientes Crônicos. Crit Care Med. 2011 ago; 39 (8): 1913-1921. PMID: 4427349
6. Ohman H, Tiitinen A, Halttunen M, et al. Polimorfismo da IL-10 e resposta imune mediada por células para Chlamydia trachomatis . Genes Immun. 2006; 7 : 243–249. [ PubMed ]
7. Bukulmez O, Hardy DB, Carr BR, Palavra RA, Mendelson CR. O estado inflamatório influencia a expressão de receptores de aromatase e esteróides na endometriose. Endocrinologia. 2008; 149 : 1190–1204. [ Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]
8. Noyes R, Hertig A, Rock J. Datando a biópsia endometrial. Fertil Steril. 1950; 1 : 3–25.
9. Mueller MD, Vigne JL, Vaisse C, Taylor RN. Glicodelin: um painel na janela de implantação. Semin Reprod Med. 2000; 18 : 289-298. [ PubMed ]
10. Billington WD. O problema imunológico da gravidez: 50 anos com a esperança de progresso. Uma homenagem a Peter Medawar. J. Reprod. Immunol. 2003; 60 : 1-11. [ PubMed ]
11. Coutifaris C, Myers ER, Guzick DS, et al. NICHD National Cooperative Rede de Medicina Reprodutiva. A datação histológica do tecido de biópsia endometrial cronometrado não está relacionada ao estado de fertilidade. Fertil Steril. 2004; 825 : 1264–1272. [ PubMed ]
12. Macklon NS, van der Gaast MH, Hamilton A, Fauser BC, Giudice LC. O impacto da estimulação ovariana com FSH recombinante em combinação com o antagonista de GnRH no transcriptoma endometrial na janela de implantação. Reprod. 2008; 15 : 357-365. [ PubMed ]
13. Taylor HS, Igarashi P, Azeite DL, Arici A. Esteróides sexuais medeiam a expressão de HOXA11 no endométrio humano peri-implantacional. J Clin Endocrinol Metab. 1999; 84 : 1129–1135. [ PubMed ]
14. Cermik D, Selam B, Taylor HS. Regulação da expressão de HOXA-10 pela testosterona in vitro e no endométrio de pacientes com síndrome dos ovários policísticos. J Clin Endocrinol Metab. 2003; 88 : 238-243. [ PubMed ]
15. Wu Y, Halverson G, Z Basir, Strawn E, Yan P, Guo SW. A metilação aberrante no HOXA10 pode ser responsável por sua expressão aberrante no endométrio de pacientes com endometriose. Am J Obstet Gynecol. 2005; 193 : 371-380. [ PubMed ]
16. Robertson SA, Redman CW, McCracken SA, et al. Imunomoduladores de implantação e desenvolvimento placentário – um relatório de oficina. Placenta. 2003; 24 supl. A: S16-S20. [ PubMed ]
17. Sargent IL, Borzychowski AM, Redman CW. Células NK e gravidez humana – uma visão inflamatória. Tendências Immunol. 2006; 27 : 399-404. [ PubMed ]
18. Chaouat G, Dorée-Bataille N, Dubanchet S, Zourbas S, Sandra O, Martal J. paradigma TH1 / TH2 na gravidez: paradigma perdido? Citocinas na gravidez / aborto precoce: reexaminando o paradigma TH1 / TH2. Int Arch Allergy Immunol. 2004; 134 : 93–119. [ PubMed ]
19. Santoni A, Zingoni A, Cerboni C, Gismondi A. Células natural killer (NK) de assassinos a reguladores: características distintas entre sangue periférico e células NK deciduais. Am J Reprod Immunol. 2007; 58 : 280 a 288 [ PubMed ]
20. Hauguel-de-Mouzon S, Guerre-Millo M. A rede de citocinas da placenta e sinais inflamatórios. Placenta. 2006; 27 : 794–798. [ PubMed ]
21. Shozu M, Minami N, Yokoyama H, et ai. ADAMTS-1 está envolvido no desenvolvimento folicular normal, no processo ovulatório e na organização da rede vascular medular no ovário. J Mol Endocrinol. 2005; 35 : 343–355. [ PubMed ]
22. Valente. Jorge : Curso ELMECO- Salvador-Bahia: Janeiro/2019

Comments

comments