Início » 20th Annual Meeting of the European Society of Human Reproduction & Embriology (Berlin- Germany) – 27 a 30/06 de 2004

20th Annual Meeting of the European Society of Human Reproduction & Embriology (Berlin- Germany) – 27 a 30/06 de 2004

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Notícias do 20th Annual Meeting of the European Society of Human Reproduction & Embriology (ESHRE) Berlin – Germany. 27 a 30 Junho de 2004

Caro colega:

Estivemos no último Congresso da Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia em Berlim e estamos enviando algumas das novidades que poderão ser úteis no dia a dia do Ginecologista. Caso queira saber mais detalhes, mande-nos um e-mail para saude@ipgo.com.br

Acarbose (nome comercial: Glucobay-Bayer) – Uma nova alternativa no tratamento dos ovários policísticos.
Fonte: University Of Freiberg, Departamento Of Obst and Cynel Stuttegart- Germany.

O Acarbose, uma droga anti-diabética semelhante a metformina, tem demonstrado melhorar o metabolismo e a ovulação das mulheres com ovários policísticos. O tratamento apresenta seus efeitos benéficos após 9 semanas de uso: A dose inicial é de 50mg/dia na primeira semana;100 mg /dia na 2° semana e 200 mg dia na 3° semana, podendo-se daí em diante manter esta dose ou aumentar até 300 mg/dia. A vantagem em relação o metfomina é a menor quantidade de efeitos colaterais sem prejuízo aos efeitos benéficos.

N- Acetyl- cistein ou N – Acetil – Cisteina (nome comercial Fluimucil) Uma nova alternativa que em conjunto com clomifene melhora as chances de Ovulação nas paciente com SOP
Fonte: Benha and Cairo School of Medicine – Cairo, Egypt

O N-Acetyl- cistein tem propriedades mucolítica, antioxidante , inibidora do metabolismo fosfolipídico, liberador das citoquininas e atividade proteolítica. Estas propriedades podem ser importantes no processo de indução da ovulação. A dose diária utilizada na indução da ovulação em conjunto com clomifene é de 1,2 g/ dia. Os estudos preliminares demonstram excelentes resultados no uso desta combinação em pacientes resistentes ao uso isolado do clomifene.

Hormônio Anti- Mulleriano – Um novo marcador para avaliação da reserva ovariana e dos ovários na SOP.
Fonte: Departament of Internal Medicine , Erasmus M.C, Rotterdan, The Netherlands

O Hormônio Anti-mulleriano é membro da família TGTB que atua no crescimento e diferenciação dos órgãos antes do nascimento. Depois do nascimento tem ação no crescimento e desenvolvimento dos folículos do ovário. Assim a dosagem desta substância tem relação direta com a quantidade de folículos primordiais, taxa de sucesso nos tratamentos de fertilização, capacidade do ovário em produzir óvulos de boa qualidade e como complemento diagnóstico nas mulheres com ovários policísticos. Este exame associado a outros pode dar o prognóstico do sucesso de gestação em relação aos tratamentos que envolvem indução de ovulação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende
Ligue
Mensagem
WhatsAPP
Valores e Dúvidas sobre os Tratamentos no IPGO?
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos
Exame aumenta as chances de sucesso nos tratamentos de FIV
Exame oferece novas perspectivas para mulheres que tiveram falhas repetidas nos tratamentos de fertilização in vitro
11 motivos para a paciente procurar o IPGO

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Conheça os livros digitais do IPGO

Leve para sua casa a maior coleção de E-books sobre fertilização

Adquira já os Livros Publicados do IPGO

Tenha em mãos a sua coleção

Podcast Da Fertilidade

Nossos conteúdos disponíveis a qualquer hora do dia

spotify-lateral
Valores e Dúvidas sobre os
Tratamentos
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos

As informações contida neste site têm caráter informativo e educacional e, de nenhuma forma devem ser utilizada para auto diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.

Desenvolvido por