• Agendamento de Consulta
  • Financeiro e Detalhes de Tratamento
Início » Infertilidade Inexplicável ou Infertilidade Sem Causa Aparente (ISCA)

Infertilidade Inexplicável ou Infertilidade Sem Causa Aparente (ISCA)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Infertilidade Inexplicável ou Infertilidade Sem Causa Aparente (ISCA)

1) O que é Infertilidade Inexplicável ou Esterilidade Sem Causa Aparente (ESCA)?

R: É quando, após terem sido realizados todos os exames necessários para avaliar as possíveis causas da infertilidade do casal, não se consegue chegar a uma conclusão. Isto é, o casal não tem alterações orgânicas ou fisiológicas que justifiquem o motivo de não conseguir engravidar.

2) Esse diagnóstico é muito comum?

R: Cerca de 10 a 15% dos casais que procuram uma clínica especializada em reprodução humana têm esse diagnóstico. Ou melhor, não têm um diagnóstico do motivo pelo qual não conseguiram, até o momento, ter filhos.

3) Essa falta de diagnóstico é definitivo?

R: Não podemos esquecer que a ciência progride numa velocidade tão grande que o desconhecido de hoje será provavelmente esclarecido no futuro. O que hoje não tem explicação, amanhã, talvez, venha ser explicável e tratável. Essa falta de diagnóstico é o retrato do presente e não do futuro.

4) O que deve ser feito frente a esse diagnóstico?

R: A primeira etapa é rever todos os exames e repetir alguns que já foram realizados em época anterior. Muitas vezes um profissional competente pode não valorizar determinado resultado e, por isso, vale a pena observar se não existe nada a mais para ser feito. Caso não haja novos esclarecimentos indica-se um dos tratamentos de Reprodução Assistida descritos nas próximas questões.

5) Quais são as opções de tratamentos para um casal com esse diagnóstico?

R: A conduta médica vai depender da idade da mulher, do tempo de infertilidade, da ansiedade e da disponibilidade econômica do casal. Para casais jovens e com ansiedade controlada, muitas vezes, tratamentos naturais que envolvem alimentação, qualidade de vida, revisão de hábitos e algumas vitaminas podem ser a solução.
Daí em diante podem ser realizados três tipos de tratamento: a simples indução da ovulação (Relação Sexual Programada), a Inseminação Intrauterina (IIU) e Fertilização in vitro. Dependendo da idade da mulher e da ansiedade, poderá ser dada a preferência por qualquer um deles. O importante é que o casal tenha consciência do grau de complexidade de cada um dos tratamentos, a chance de sucesso e o custo financeiro.

6) Como é a relação sexual programada, “namoro” programado ou indução da ovulação?

R: É o mais simples de todos os tratamentos de Reprodução Assistida. Consiste no simples acompanhamento do crescimento do(s) folículo(s) ovulatório(s) até atingir(em) o momento da ovulação. Esse acompanhamento é feito, principalmente, pelo ultrassom, em intervalos de dois a três dias, até que o folículo que tem no seu interior um óvulo atinja a dimensão aproximada de 18mm. Nesse momento, é receitada uma injeção que matura esse(s) óvulos(s) e provoca a ovulação entre 24 e 48 horas após. Recomenda-se, a partir desse momento relações sexuais diárias ou em dias alternados. A relação sexual programada poderá ser feita em ciclos menstruais naturais, isto é, sem medicação, ou em ciclos induzidos, quando se dá medicamentos para aumentar o número de óvulos. Essa última opção implica no aumento da taxa de sucesso (12 a 15% por ciclo), mas aumenta também a chance de gestação múltipla.

7) Como é a Inseminação Intrauterina (IIU)?

R: Esse procedimento é semelhante ao anterior, porém com uma diferença. Ao invés de serem recomendadas relações sexuais em que os espermatozoides são depositados na vagina e devem “nadar” até o óvulo, percorrendo o caminho no interior do colo uterino (útero até a tuba), onde ocorre a fertilização, os espermatozoides são colhidos por masturbação, preparados em laboratório e depositados no fundo do útero, perto da tuba e do(s) óvulos(s). Assim, a distância a ser percorrida pelo espermatozoide é menor, aumentando as chances de sucesso (18 a 20% por ciclo).

8) Como é a FIV?

R: É a mais sofisticada de todas as técnicas e, por isso, oferece os melhores resultados. Neste procedimento os óvulos são aspirados dos ovários após a indução da ovulação. Esta indução é feita com uma quantidade maior de hormônios para que se tenha um maior número de óvulos. No momento do pico ovulatório, eles são aspirados e encaminhados ao laboratório de fertilização, onde serão fertilizados com os espermatozoides e, dois a cinco dias após, serão implantados no útero. Uma vez que os embriões são colocados numa fase adiantada de desenvolvimento, conclui-se que é a técnica que dá a maior chance de resultados positivos (60% para mulheres com menos de 35 anos).

Informações à imprensa: LaVida Press
  • (11) 3057-1796
  • (11) 3057-1796
  • jornalismo@lavidapress.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende
Ligue
Mensagem
WhatsAPP
Valores e Dúvidas sobre os Tratamentos no IPGO?
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos
Exame aumenta as chances de sucesso nos tratamentos de FIV
Exame oferece novas perspectivas para mulheres que tiveram falhas repetidas nos tratamentos de fertilização in vitro
11 motivos para a paciente procurar o IPGO

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Conheça os livros digitais do IPGO

Leve para sua casa a maior coleção de E-books sobre fertilização

Adquira já os Livros Publicados do IPGO

Tenha em mãos a sua coleção

Podcast Da Fertilidade

Nossos conteúdos disponíveis a qualquer hora do dia

spotify-lateral
Valores e Dúvidas sobre os
Tratamentos
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos
As informações contida neste site têm caráter informativo e educacional e, de nenhuma forma devem ser utilizada para auto diagnóstico, auto-trcatamento e auto-medicação.  Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA
Desenvolvido por