A infertilidade e a inflamação crônica

A inflamação crônica é sistêmica e pode durar meses ou anos. Muitas coisas podem contribuir para a inflamação crônica, incluindo alimentos inflamatórios, toxinas ambientais, excesso de peso, estresse, problemas digestivos, alergias, hipertensão, depressão, Síndrome do Intestino Irritável, fadiga crônica etc. No caso de inflamação crônica, as células imunes pró-inflamatórias continuam circulando pelo corpo e danificam tecidos saudáveis, incluindo sangue, revestimentos de vasos (aterosclerose), tecido articular (artrite) e mucosa intestinal (intolerância alimentar), podendo, por fim, causar a queda da qualidade dos espermatozoides e óvulos, além de causar um ambiente hostil para uma gravidez. Existem várias razões pelas quais homens e mulheres têm inflamação crônica.

Endometriose, Síndrome do Ovário Policístico (SOP), doença inflamatória pélvica (DIP) e falência ovariana prematura têm sido associadas à inflamação crônica e aos resultados adversos da gravidez. Os pesquisadores levantam a hipótese de que a inflamação crônica pode prejudicar o ambiente uterino e/ou interromper a cadeia específica de eventos do sistema imunológico que permitem o implante de um embrião (Levin et al. 2007).

Os principais mediadores químicos da inflamação são prostaglandinas, mensageiras químicas que ligam e desligam o componente imune da inflamação aguda. Existem dois grupos principais de prostaglandinas: prostaglandinas pró-inflamatórias (chamadas de prostaglandinas de fase 2) que estimulam a inflamação aguda no local da lesão e as prostaglandinas anti-inflamatórias (chamadas de prostaglandinas de Fase 1 e Fase 3) que a desligam. O ácido araquidônico é a principal prostaglandina pró- -inflamatória da Série 2 ativa no organismo, está presente em nossa dieta A infertilidade e a inflamação crônica nos produtos de origem animal (carne e laticínios) e também pode ser fabricado a partir do ácido linolênico (também conhecido como ácido graxo ômega-6 encontrado no óleo de milho, óleo de soja e na carne de animais que são alimentados com milho). Do lado dos “mocinhos” está o ácido eicosapentaenóico (EPA), que é encontrado principalmente em plantas e animais marinhos. EPA é parte de uma família de compostos chamados ácidos graxos essenciais ômega-3, que também inclui o ácido alfa-linoléico (ALA), ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosahexaenoico (DHA). EPA é a estrutura lipídica que nosso corpo usa para produzir prostaglandinas benéficas que reduzem a inflamação.A dieta humana “primitiva” (Dieta do Mediterrâneo) continha uma proporção estimada de 1: 1 de gorduras ômega-6 a ômega-3. Hoje, nossa dieta é muito mais inclinada em relação aos ácidos graxos ômega-6 pró-inflamatórios, cerca de 10: 1. Infelizmente, uma vez que os ácidos graxos que comemos são finalmente incorporados em nossos tecidos, essa mudança na dieta distorce nossa fisiologia em direção à inflamação.Mesmo quando não é acompanhada por um distúrbio reprodutivo, a inflamação crônica pode atrapalhar a ovulação, o equilíbrio adequado dos hormônios em seu corpo e a receptividade endometrial.

Condições reprodutivas associadas à inflamação crônica incluem:

Valores e Dúvidas sobre os
Tratamentos
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos