Início » Notícia veiculada pela grande imprensa de que uma fertilização in vitro custaria apenas 570 reais é errônea* Divulgação não levou em conta todas as fases do tratamento, mas apenas uma, a que diz respeito à cultura dos embriões

Notícia veiculada pela grande imprensa de que uma fertilização in vitro custaria apenas 570 reais é errônea* Divulgação não levou em conta todas as fases do tratamento, mas apenas uma, a que diz respeito à cultura dos embriões

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Matéria divulgada pela mídia esta semana informa que novas tecnologias levariam a uma redução nos custos da fertilização in vitro (FIV), que poderia chegar a apenas 570 reais. Considerando que cada vez mais casais necessitam deste procedimento para realizar o sonho de serem pais, mas devido aos altos custos, em torno de 15.000 reais, este procedimento não é acessível à grande parte das pessoas, a notícia foi recebida com muito entusiasmo.
Realmente, muitos esforços vêm sendo empreendidos no intuito de baratear os custos do tratamento, entretanto, as informações foram divulgadas de forma errônea e, infelizmente, estão equivocadas.
Esta informação se refere a um estudo, realizado na Bélgica, e apresentado esta semana no Congresso da “Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia” (ESHRE) em Londres.

O que os pesquisadores belgas apresentaram foram novas técnicas, mais baratas, de cultura dos embriões. No método convencional, os mesmos ficam pelo menos três dias em cultura, em incubadoras modernas com gás dióxido de carbono para controlar níveis de acidez. Em vez disso, a equipe do Genk Institute for Fertility Technology obteve dióxido de carbono a partir da mistura de ácido cítrico e bicarbonato de sódio, necessitando menor aparelhagem e tornando, assim, o procedimento muito mais barato. Entretanto, a cultura dos embriões é somente um dos passos do ciclo de FIV.

Para se realizar essa técnica, a mulher recebe, inicialmente, injeções de hormônios, com o objetivo de desenvolver em seus ovários, folículos com óvulos. Durante esta fase, faz-se um acompanhamento ultrassonográfico e laboratorial (dosagens hormonais) até o momento mais adequado para a coleta, que é feita por meio de uma agulha especial, guiada por ultrassom transvaginal e sob sedação. Os óvulos aspirados são encaminhados ao laboratório, no qual são fertilizados com os espermatozoides do parceiro. A técnica nova não modifica esses passos e nem seus custos até aqui.

Confirmada a fertilização, os embriões formados são mantidos em uma incubadora em um ambiente que simula as condições de temperatura, oxigênio e nutrientes do trato genital feminino. Com o novo método, essa fase é bem mais barata e necessita de menos aparelhos. Após alguns dias acompanhando o crescimento dos embriões, estes são transferidos ao útero da mãe para que complete seu desenvolvimento.
O novo método apresentado não modifica os outros passos do ciclo de fertilização. Assim, mesmo reduzindo-se os custos do laboratório, não se alteram os custos com medicação, acompanhamento, coleta de óvulos e transferência. Portanto, o tratamento não será de 570 reais como divulgado.
Além disso, os resultados ainda são prematuros e experimentais, não aplicáveis à prática clínica. No estudo, os testes foram realizados somente com pacientes jovens, sem fator masculino grave e com boa quantidade de óvulos coletados (pelo menos 8). Casos com alteração do sêmen, por exemplo, muitas vezes necessitam uma técnica especial para fertilizar os embriões, chamada ICSI (Intracytoplasmatic sperm injection – injeção intracitoplasmática de espermatozoide).

Na FIV clássica, os óvulos são colocados junto dos espermatozóides e a fertilização ocorrerá espontaneamente. Na ICSI, os óvulos são fertilizados injetando-se um espermatozoide em cada óvulo. Isso não é possível com o novo método proposto.

Outro ponto é que, no estudo, a taxa de sucesso ficou cerca de 30% abaixo da FIV convencional, que hoje gira em torno de 50%. Apesar disso tudo, para alguns casos, poderá ser uma forma de reduzir os custos do procedimento. Assim, não podemos nos iludir com os dados apresentados, mas aumenta a esperança de que, no futuro, a FIV seja um tratamento acessível a todos.

*Arnaldo Schizzi Cambiaghi, Especialista em Reprodução Humana e Diretor do IPGO, e Rogério Leão, Ginecologista Obstetra especialista em Reprodução Humana e Cirurgia Endoscópica e membro do corpo clínico do IPGO.

Informações à imprensa: LaVida Press

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende
Ligue
Mensagem
WhatsAPP
Valores e Dúvidas sobre os Tratamentos no IPGO?
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos
Exame aumenta as chances de sucesso nos tratamentos de FIV
Exame oferece novas perspectivas para mulheres que tiveram falhas repetidas nos tratamentos de fertilização in vitro
11 motivos para a paciente procurar o IPGO

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Conheça os livros digitais do IPGO

Leve para sua casa a maior coleção de E-books sobre fertilização

Adquira já os Livros Publicados do IPGO

Tenha em mãos a sua coleção

Podcast Da Fertilidade

Nossos conteúdos disponíveis a qualquer hora do dia

spotify-lateral
Valores e Dúvidas sobre os
Tratamentos
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos