Início » Endometriose em homens: rara, mas existe

Endometriose em homens: rara, mas existe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Dr. Arnaldo S. Cambiaghi & Equipe IPGO

Sempre que ouvimos falar de endometriose já pensamos em uma mulher, afinal, trata-se de uma doença ligada ao útero, certo? Não! Dois casos da doença em homens, recentemente divulgados no exterior, trouxeram mais dúvidas sobre o tema. Um dos afetados tinha 83 anos e descobriu ter um endometrioma na parece abdominal (um tipo de cisto que acomete principalmente o ovário). Ele estava sendo tratado para o que se pensava ser um carcinoma da próstata. Exames complementares mostraram se tratar de adenocarcinoma – tumor maligno. Ele foi tratado, para câncer, por quimioembolização transarterial e acompanhado até sua morte, em 1979, por problema cardiovascular.

O segundo caso é de um homem de 40 anos, pai de quatro filhos, que procurou ajuda médica após sentir dor abdominal e inchaço. Uma tomografia computadorizada mostrou uma grande lesão cística do complexo pélvico da linha média que parecia surgir do canal deferente direito. O paciente passou por um procedimento conjunto entre cirurgia geral e urologia, planejado para cistouretroscopia (feito com um cistoscópio no interior da bexiga), laparoscopia diagnóstica e excisão da massa pélvica. A laparoscopia confirmou a presença de uma massa anterior ao reto e sob o peritônio parietal cobrindo a cúpula da bexiga. O restante do procedimento foi convertido em laparotomia exploradora para remoção mais segura da massa.

A separação entre os sistemas urogenital masculino e feminino ocorre no embrião entre a oitava semana e o quarto mês. Porém, há sempre a possibilidade de remanescentes do sexo oposto permanecerem. Uma revisão da literatura sobre endometriose no homem revela vários casos que ocorreram cuja origem vem, no entanto, do utrículo prostático, que é uma formação utricular que se abre entre os canais ejaculadores, na uretra, e que é também denominada útero masculino. Vários estudos identificaram uma associação clara e positiva entre o aumento da obesidade e o da produção de estrogênio em homens. Fenômeno provavelmente associado ao crescimento da atividade de aromatização do tecido adiposo, à superexpressão de citocinas pró-inflamatórias, à resistência à insulina e à hiperativação das vias do fator de aumento semelhante à insulina.  Em relação à endometriose masculina, pode-se teorizar que o crescimento na aromatização poderia fornecer níveis de estrogênio patologicamente elevados para impulsionar o surgimento da endometriose de células embrionárias remanescentes em machos.

Vale a pena frisar que identificar os fatores causadores da endometriose em homens pode lançar luz também sobre as teorias existentes de endometriose em mulheres.

Fonte de pesquisa:

https://www.hindawi.com/journals/criog/2018/2083121/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/4014886

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende
Ligue
Mensagem
WhatsAPP
Valores e Dúvidas sobre os Tratamentos no IPGO?
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos
Exame aumenta as chances de sucesso nos tratamentos de FIV
Exame oferece novas perspectivas para mulheres que tiveram falhas repetidas nos tratamentos de fertilização in vitro
11 motivos para a paciente procurar o IPGO

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Conheça os livros digitais do IPGO

Leve para sua casa a maior coleção de E-books sobre fertilização

Adquira já os Livros Publicados do IPGO

Tenha em mãos a sua coleção

Podcast Da Fertilidade

Nossos conteúdos disponíveis a qualquer hora do dia

spotify-lateral
Valores e Dúvidas sobre os
Tratamentos
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos

As informações contida neste site têm caráter informativo e educacional e, de nenhuma forma devem ser utilizada para auto diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.

Desenvolvido por