Início » Infertilidade Masculina: O problema também pode ser deles.

Infertilidade Masculina: O problema também pode ser deles.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Desde o passado mais distante, sempre coube à mulher a responsabilidade pela concepção. A ela caberia receber a semente do homem e procriar. Por isso, a pressão da sociedade é maior em relação à esposa do que em relação ao marido.

Quando o casal não conseguia ter filhos, a mulher era sempre responsabilizada pelo problema. A infertilidade era vista como um defeito biológico, que as levavam a alimentar o sentimento de inferioridade e de culpa, consideradas vítimas da repreensão divina, que determinava que elas não eram merecedoras da bênção da procriação. Assim, durante séculos, a infertilidade masculina não foi admitida. Hoje, sabemos que o homem é responsável por cerca de 30% a 40% dos casos em que o casal enfrenta problemas para engravidar. Em conjunto com algum fator feminino, mais 20%.

Dessa forma, no mínimo 50% dos casos de infertilidade contam com a participação masculina. Isso acontece porque, para que fertilize o óvulo, o espermatozoide precisa ter uma série de propriedades: formato oval, movimentos direcionados, reconhecer e aderir ao óvulo e , posteriormente, penetrar no seu interior para fertilizá-lo. Então, o potencial de fertilização masculino depende da integração de todas estas propriedades, que contribuem para sua competência. Além disso, ao entrar pelo útero e tubas (trompas), o espermatozoide sofre uma série de modificações capazes de torná-lo apto para fertilizar o óvulo. Essas mudanças recebem o nome de capacitação espermática e sem ela, a fecundação não seria possível. As causas de infertilidade masculina podem ser classificadas em pré-testiculares, testiculares e pós-testiculares.

As pré-testiculares são as alterações que ocorrem no sistema hormonal levando o homem a não produzir espermatozoides adequados. As testiculares são doenças do testículo propriamente dito. E as pós-testiculares abrangem problemas do sistema de ductos que transportam os gametas masculinos para o exterior. Os homens podem apresentar ausência de espermatozoides no ejaculado, mesmo quando o testículo é capaz de produzi-los. É a azoospermia excretora. Neste grupo de pacientes, as enfermidades mais comuns são as malformações congênitas, infecções, traumatismos e a vasectomia, que interrompe o trajeto dos espermatozoides. Já a azoospermia secretora é quando os testículos não produzem espermatozoides. Alguns exemplos do problema são as doenças congênitas, infecção dos testículos, caxumba, uso de medicamentos para o tratamento de câncer, entre outros. Há também a oligoastenospermia, que é a baixa quantidade de espermatozoides, que também podem ser causadas por anomalias congênitas.

O homem também pode sofrer com a diminuição do número de motilidade dos espermatozoides, ou oligoastenospermia. Ela pode ser causada por distúrbios hormonais, alterações testiculares (como a varicocele), alterações inflamatórias e alterações gerais, que são aquelas relacionadas aos aspectos profissionais, psíquicos, infecções em geral, medicamentos, tabagismo, alcoolismo, stress e outros fatores. Os espermatozoides capazes de fertilização devem ter o formato perfeito. Qualquer alteração em sua morfologia é chamada de teratozoospermia. Os principais responsáveis por este problema são as inflamações, algumas drogas, origem congênita e, novamente, a varicocele. A varicocele é uma dilatação anormal das veias, semelhante a varizes, que drenam o sangue dos testículos. É classificada em quatro graus, desde os casos mais simples até os mais avançados. “A associação entre varicocele e anormalidade no tamanho do testículo é conhecida há séculos. É muito comum e pode ser considerada uma causa de infertilidade masculina corrigível”, esclarece Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi, especialista em Infertilidade da Clínica de Reprodução Humana do IPGO – Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia. O médico conta que, estudo em um grupo de pacientes após a cirurgia da doença, concluíram que se pode melhorar a qualidade seminal em alguns homens (verificada pela concentração espermática, morfologia e motilidade dos espermatozoides), podendo, algumas vezes aumentar a taxa de gravidez após a intervenção cirúrgica. Porém, a indicação da cirurgia para melhora da função reprodutiva deve ser cuidadosamente analisada. “O paciente deve estar ciente dos possíveis resultados insatisfatórios após a intervenção”, alerta Dr. Cambiaghi.

A infecção genital também pode ser um fator importante de infertilidade masculina. Os Micróbios mais frequentes que podem comprometer a fertilidade do homem e consequentemente também a da mulher são:

Gardnerella vaginalis. É a principal bactéria causadora da Vaginose Bacteriana, que também pode ser causada por outras bactérias como Peptoestreptococcus e Ureaplasma urealyticum E PODE SER TRANSMITIDA PELO HOMEM. Não é considerada uma doença sexualmente transmissível, uma vez que algumas dessas bactérias podem ser encontradas habitualmente no ser humano. No entanto, a transmissão ocorre também pelo contato íntimo ou relação sexual. A Vaginose é a causa mais comum do corrimento genital e a segunda causa de candidíase. Essa infecção desencadeia um desequilíbrio da flora vaginal fazendo com que a concentração de bactérias aumente devido a uma proliferação maciça de uma flora mista. Essa infecção pode prejudicar a saúde da muher, sua fertilidade e a própria gravidez e, portanto, deve ser tratada com antibióticos.

O Ureaplasma urealyticum é uma bactéria que pertence à família dos micoplasmas. Pode ser detectado no trato reprodutivo de um máximo de 40% dos indivíduos (homens e mulheres). O Ureaplasma provavelmente não impede a concepção normal na maioria dos casos, porque a cavidade uterina permanece estéril, mesmo em mulheres que possuem exames com o diagnóstico positivo para esta bactéria na mucosa vaginal. Embora a infecção por Ureaplasma raramente produza sintomas na mulher, no homem pode causar prostatite ou epididimite. O Ureaplasma pode ser transmitido a partir de um parceiro para o outro através de relações sexuais. Assim, as secreções do sistema reprodutor de ambos os parceiros devem ser avaliadas (esperma e muco cervical) individualmente. Quando Ureaplasma é detectado nas secreções reprodutivos de um dos parceiros, os dois devem ser tratados concomitantemente com o antibióticos apropriados.

Clamidia: A clamídia é uma infecção genital, causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, ou simplesmente clamídia. É uma infecção que afeta tanto homens quanto mulheres, e que também pode atingir os olhos. Se não for tratada, pode ter consequências negativas para a saúde sexual e reprodutiva. A clamídia é frequentemente assintomática, especialmente para mulheres. Isto quer dizer que 70% das mulheres e 50% dos homens não sentem absolutamente nada de diferente, mesmo estando infectados pela clamídia. Mesmo quando há sintomas, é fácil confundi-los com os de outras doenças, como a candidíase ou a cistite. Quando a clamídia provoca sintomas, eles normalmente aparecem de uma a três semanas depois da contaminação. Eles podem perdurar por algum tempo ou ir embora em poucos dias.
É importante tratar a clamídia, se a paciente estiver tentando engravidar, para evitar que haja danos ao aparelho reprodutivo. Se a futura gestante já tiver consequências mais graves como a doença inflamatória pélvica, terá de ser tratada também para aumentar suas chances.
A clamídia é uma das causas da infertilidade masculina e feminina. Nos homens, a bactéria pode causar inflamações nos epidídimos (epididimite) e nos testículos (orquite), capazes de promover obstruções que impedem a passagem dos espermatozoides. Nas mulheres, o risco é a bactéria atravessar o colo uterino, atingir as trompas provocar a doença inflamatória pélvica (DIP). Esse processo infeccioso pode ser responsável pela obstrução das trompas e impedir o encontro do óvulo com o espermatozoide, ou então dar origem à gravidez tubária (ectópica), se o ovo fecundado não conseguir alcançar o útero. Mulher infectada pela Chlamyda trachomatis durante a gestação está mais sujeita a partos prematuros e a abortos. Nos casos de transmissão vertical na hora do parto, o recém-nascido corre o risco de desenvolver um tipo de conjuntivite (oftalmia neonatal) e pneumonia. Uma vez instalada a infecção, o tratamento consiste no uso de antibióticos específicos.

Gonorreia é uma infecção causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, transmitida por via sexual, altamente contagiosa. Geralmente afeta o colo do útero, mas pode estar presente na uretra, no reto ou na garganta. Pode ser assintomática ou provocar corrimento vaginal, dores e mal-estar urinário. A gonorreia também é uma das maiores causas de inflamação pélvica, que danifica as trompas de Falópio, levando à infertilidade e aumento da incidência da gravidez ectópica.

Normalmente o diagnóstico é realizado através de exames laboratoriais. No entanto, a ultrassonografia da próstata transretal ou pélvica, pode ser um auxílio para diagnosticar inflamação crônica da próstata e vesículas seminais.

A infecção genital também pode ser um fator importante de infertilidade masculina. As bactérias Escherichia coli e os micoplasmas, são as mais freqüentes e podem comprometer, a fertilidade do homem. Normalmente o diagnóstico é realizado através de exames laboratoriais. No entanto, a ultrassonografia da próstata transretal ou pélvica, pode ser um auxílio para diagnosticar inflamação crônica da próstata e vesículas seminais. A pesquisa da fertilidade masculina deve ser realizada em todos os casais, pois é muito mais simples do que a feminina. A avaliação da fertilidade do homem é baseada na história clínica, como os antecedentes de infecção, traumas, impotência, tabagismo, entre outros; além do exame físico, espermograma e, em casos especiais, exames genéticos. “Geralmente, para a conclusão do diagnóstico através do espermograma, é necessário que este exame seja repetido por três vezes”, esclarece Cambiaghi. Segundo o especialista, o homem deve ser tratado sempre que possível. “Porém, é necessário saber o que é relevante nesta pesquisa, para que ninguém se perca em resultados superficiais que levam o casal, muitas vezes, a perder tempo e dinheiro, além de sofrer o desgaste psicológico presente neste tipo de tratamento”, finaliza o médico.

Informações à imprensa: LaVida Press
  • (11) 3057-1796
  • (11) 3057-1796
  • jornalismo@lavidapress.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende
Ligue
Mensagem
WhatsAPP
Valores e Dúvidas sobre os Tratamentos no IPGO?
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos
Exame aumenta as chances de sucesso nos tratamentos de FIV
Exame oferece novas perspectivas para mulheres que tiveram falhas repetidas nos tratamentos de fertilização in vitro
11 motivos para a paciente procurar o IPGO

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Por que os pacientes com problemas para engravidar e precisam de ajuda de um especialista devem escolher o IPGO?

Conheça os livros digitais do IPGO

Leve para sua casa a maior coleção de E-books sobre fertilização

Adquira já os Livros Publicados do IPGO

Tenha em mãos a sua coleção

Podcast Da Fertilidade

Nossos conteúdos disponíveis a qualquer hora do dia

spotify-lateral
Valores e Dúvidas sobre os
Tratamentos
Tire suas dúvida e saibas os valores dos nossos tratamentos

As informações contida neste site têm caráter informativo e educacional e, de nenhuma forma devem ser utilizada para auto diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.

Desenvolvido por